LuxCitizenship

Para ativar as legendas, pressione o botão de reprodução, seguido pelo ícone CC. Para alterar os idiomas, clique no ícone de engrenagem e em Legendas/CC.

Os ancestrais luxemburgueses: Estados Unidos

Atualizado: 9 de janeiro de 2024
Escrito par: Daniel Atz com Lauren Lowell

De 1841 a 1890, aproximadamente 45.000 luxemburgueses luxemburgueses deixaram o Grão-Ducado e foram para os Estados Unidos. Atualmente, mais de 13.000 de seus descendentes obtiveram dupla cidadania em Luxemburgo.

Quem eram esses luxemburgueses e como eles foram parar nos Estados Unidos? Vamos explorar.

Os ancestrais luxemburgueses: Estados Unidos

Para ativar as legendas, pressione o botão de reprodução, seguido pelo ícone CC. Para alterar os idiomas, clique no ícone de engrenagem e em Legendas/CC.
Atualizado: 9 de janeiro de 2024
Escrito par: Daniel Atz com Lauren Lowell

De 1841 a 1890, aproximadamente45.000 luxemburgueses luxemburgueses deixaram o Grão-Ducado e foram para os Estados Unidos. Atualmente, mais de 13.000 de seus descendentes obtiveram dupla cidadania em Luxemburgo.

Quem eram esses luxemburgueses e como eles foram parar nos Estados Unidos? Vamos explorar.

Veja nossos estudos 🇺🇸🇱🇺: Ancestrais | Dados demográficos | Pesquisa | Todos os estudos

PONTO DE PARTIDA

Nosso estudo de pesquisa sobre os americanos-luxemburgueses baseia-se em 416 pessoas com dupla cidadania. Este número inclui clientes e não clientes da LuxCitizenship que participaram de uma pesquisa aberta com cidadãos com dupla cidadania por ascendência, que averiguadas por nós.

Este parte do estudo se baseia em seus 225 antepassados. Nesta primeira seção de nosso estudo, mergulhamos na história da imigração luxemburguesa para os EUA, a fim de explicar quem são os ancestrais de nossos cidadãos com dupla cidadania e como as histórias desses antepassados afetam os novos cidadãos que se hoje buscam se reconectar com Luxemburgo.

POR QUE TANTOS LUXEMBURGUESES MIGRARAM?

Era uma vez, especificamente em 1815, Luxemburgo recuperou sua independência da França. O lado ruim? Tornou-se propriedade pessoal do novo rei holandês e foi ocupada por tropas prussianas.

Imagem: A primeira propriedade rural (“homestead”) nos Estados Unidos, EUA. Library of Congress
O Código Napoleônico,, um resquício fracês, não ajudou muito. Ele obrigava os proprietários de terras a dividir suas propriedades igualmente entre todos os seus filhos para fins de herança.
Somado a isso, na década de 1840, os avanços na medicina reduziram drasticamente a mortalidade infantil. Enquanto as famílias cresciam cada vez mais, seus lotes agrícolas ficavam tão pequenos que muitos não conseguiam se alimentar, muito menos ganhar a vida.
Devido ao sofrimento da pobreza e a fome, um grande número de pessoas decidiu deixar o Grão-Ducado para sempre.

COMEÇO HUMILDE: A PRIMEIRA ONDA MIGRATÓRIA (ENTRE 1830-40)

Logo após a primeira onda de migrantes luxemburgueses para o Brasil em 1828, uma grande variedade de grupos luxemburgueses decidiram partir em busca de novas oportunidades na América do Norte, na década de 1830.

A primeira onda de migração luxemburguesa para os Estados Unidos foi, de longe, a menor. Mas o número de pessoas que chegaram ao seu destino final foi muito maior do que àqueles que buscaram chegar ao Brasil. Essa primeira leva de luxemburgueses chegou aos Estados Unidos entre 1830 e meados da década de 1840.
Os luxemburgueses geralmente chegavam por Louisiana, Nova York e Maryland. Muitos se estabeleceram no oeste do estado de Nova York e outro grande grupo se estabeleceu em Ohio. Ao passo que as ferrovias se desenvolviam, alguns luxemburgueses continuaram sua migração para o interior do país.
Em comparação com as outras duas ondas, pouquíssimos dos ancestrais que estudamos pertencem a Primeira Onda Migratória para os Estados Unidos.
  • Port of Entry
  • States of Settlement
  • Cities of Settlement

GANHANDO FORÇA: A SEGUNDA ONDA MIGRATÓRIA (1846-60)

Até o início do século XIX, a viagem de Luxemburgo a Paris levava o mesmo tempo que a viagem de Luxemburgo aos Estados Unidos. Assim que um meio de transporte mais rápido chegou, as notícias sobre o solo livre nos Estados Unidos começaram a se espalhar.

Vídeo: Jeff, cidadão americano-luxemburguês com dupla cidadania, explica eloquentemente sobre sua ascendência de Luxemburgo e as conexões com sua família em Luxemburgo. Esse vídeo fez parte de uma campanha de vídeo de 2020 durante o surto de Covid-19.

Um grande número de luxemburgueses partiu para os Estados Unidos e muitos deles conheciam o nome Derulle-Wigreux. De acordo com a Biblioteca do Congresso dos EUA,  ma maioria dos emigrantes luxemburgueses da Segunda Onda atravessou os mares com intermédio deste agente de viagens, que tinha seu ofício na cidade de Luxemburgo.
Vindos do Luxemburgo, país carente de terras, a promessa de terras inexploradas e livres no Meio-Oeste americano atraiu os emigrantes em massa. Diferentes comunidades se estabeleceram em Chicago e Aurora, no Illinois, nos condados de Ozaukee, Sheboygan e LaCrosse, em Wisconsin, nos condados de Winona e Wabasha, em Minnesota, e nos condados de Dubuque e Jackson, em Iowa.

30.6% DOS ANTEPASSADOS DE NOSSOS CIDADÃOS COM DUPLA NACIONALIDADE SE ESTABELECERAM NOS CONDADOS ACIMA. 13.3% DE TODOS OS SEUS ANTEPASSADOS SE ESTABELECERAM APENAS NOS CONDADOS DE AURORA E COOK, ILLINOIS.

EXPLOSÃO LUXEMBURGUESA: A TERCEIRA ONDA MIGRATÓRIA (1865-1900)

Um pequeno evento histórico chamado de Guerra Civil Americana (1861-1865) fez com que a imigração para os Estados Unidos diminuísse por um tempo. Mesmo assim, alguns ancestrais de Luxemburgo conseguiram chegar ao país e até se alistaram na guerra, pouco tempo depois (1865-1900).

A imigração nunca parou durante a Guerra Civil Americana, mas decolou depois dela. Parte da responsabilidade por esse fenômeno se deve ao Homestead Act of 1862, que disponibilizou terras para pessoas comuns ao invés de deixar tudo para os proprietários de terras ricos da região.
Muitos desses emigrantes também se estabeleceram no Meio-Oeste americano, principalmente nos condados de Dakota, Stearns e Houston, em Minnesota, bem como nos condados de Kossuth e Black Hawk, em Iowa. Comunidades menores também se estabeleceram nos estados de Nebraska e Dakota do Sul.
  • State of Settlement
  • Port of Entry
  • City of Settlement
7.6% dos ancestrais de nossos cidadãos com dupla nacionalidade viviam nos condados citados, mas muitos se mudaram e viveram em outros locais dentro dos mesmos estados onde já moravam. Portanto, parece que os antepassados de nossos cidadãos tendiam a se espalhar. Uma causa provável para isso é a exploração de mais terras livres.
A imigração nunca parou durante a Guerra Civil Americana, mas decolou depois dela. Parte da responsabilidade por esse fenômeno se deve ao Homestead Act of 1862, que disponibilizou terras para pessoas comuns ao invés de deixar tudo para os proprietários de terras ricos da região.
Muitos desses emigrantes também se estabeleceram no Meio-Oeste americano, principalmente nos condados de Dakota, Stearns e Houston, em Minnesota, bem como nos condados de Kossuth e Black Hawk, em Iowa. Comunidades menores também se estabeleceram nos estados de Nebraska e Dakota do Sul.
7.6% dos ancestrais de nossos cidadãos com dupla nacionalidade viviam nos condados citados, mas muitos se mudaram e viveram em outros locais dentro dos mesmos estados onde já moravam. Portanto, parece que os antepassados de nossos cidadãos tendiam a se espalhar. Uma causa provável para isso é a exploração de mais terras livres.

Die Luxemburger in der Neuen Welt

A partir de 1880, a vida social luxemburguesa floresceu nos Estados Unidos. Mais comunidades foram estabelecidas e as que já existiam ficaram mais fortes e mais conectadas.

Nicholas Muller
Essas comunidades eram prósperas e criaram um forte senso de identidade para os imigrantes. As organizações sociais luxemburguesas-americanas ajudaram a expandir as redes comunitárias e a facilitar a imigração.
Os luxemburgueses-americanos criaram seus próprios jornais em alemão, distribuídos nacionalmente. Para eles, era importante ter periódicos independentes com influência prussiana.
Esses luxemburgueses-americanos também alcançaram grandes feitos. Alguns nomes conhecidos dessa época incluem Hugo Gernsback, Red Faber, Paul O. Husting, Nicholas Muller, & Edward Steichen.

Nicholas Muller nasceu em Differdange, em 1836. Imigrou para os Estados Unidos e lá se tornou deputado federal.

LUXEMBURGUESES-AMERICANOS NO SÉCULO XX

Desde sua chegada aos Estados Unidos, a maioria dos luxemburgueses eram confundidos com alemães, belgas e franceses. Isso se tornou um problema no início do século XX.

Com a eclosão da Primeira Guerra Mundial, houve uma imensa pressão social e governamental para que não se falasse alemão nos Estados Unidos. Como resultado, muitos luxemburgueses foram proibidos de falar sua língua materna. A imensa pressão social continuaria por muito tempo, mesmo após o fim da guerra. Isso gerou uma cicatriz eterna nas comunidades luxemburguesas-americanas.
Apesar disso, os americanos-luxemburgueses continuaram apegados à sua cultura. No futuro, eles ainda desempenhariam um papel importante no apoio à libertação de Luxemburgo durante a Segunda Guerra Mundial.
Luxemburgueses-americanos influentes ajudaram a Grã-Duquesa Charlotte em suas viagens diplomáticas de boa vontade pelos Estados Unidos. Muitos contribuíram com fundos para apoiar e reconstruir Luxemburgo após a guerra. Soldados americanos-luxemburgueses marcaram presença presentes na libertação de Luxemburgo.

Image: A Sociedade dos Amigos Americanos de Luxemburgo era um fundo de ajuda humanitária, formado em 1943. Sua missão era angariar fundos para dar suporte a Luxemburgo durante e após a guerra.

Friends of Luxembourg World War II Poster

Image: A Sociedade dos Amigos Americanos de Luxemburgo era um fundo de ajuda humanitária, formado em 1943. Sua missão era angariar fundos para dar suporte a Luxemburgo durante e após a guerra.

At the outbreak of World War I, there was immense social and government pressure to not speak German in the United States.  As a result, many Luxembourgers were forbidden to speak their mother tongue. This immense social pressure would last well after the war, leaving an eternal scar on the Luxembourgish-American communities.
Despite this, the Luxembourgish-Americans remained attached to their culture. They would also play an important part in supporting and liberating Luxembourg during World War II.
Influential Luxembourgish-Americans helped Grand Duchess Charlotte on her goodwill tours of the United States. Many contributed funds to support and rebuild Luxembourg after the war. Some Luxembourgish American soldiers were also there for Luxembourg’s liberation.

JÁ APRENDEMOS SOBRE A IMIGRAÇÃO LUXEMBURGUESA PARA OS ESTADOS UNIDOS, MAS QUEM ERAM OS ANCESTRAIS DE NOSSOS CIDADÃOS AMERICANOS-LUXEMBURGUESES COM DUPLA CIDADANIA?

SOBRE OS ANTEPASSADOS DOS PARTICPANTES

Para os 416 americanos-luxemburgueses que participaram de nossa pesquisa, conseguimos encontrar 225 ancestrais luxemburgueses. Todas as informações sobre os antepassados incluídas neste estudo foram fornecidas pelos participantes e verificadas com base nos registros arquivados nos Arquivos Nacionais de Luxemburgo.

Alguns dos antepassados pesquisados eram irmãos. Os 225 antepassados luxemburgueses dos quais nossos entrevistados americanos descendem vieram de 218 famílias que se mudaram de Luxemburgo.
Em média, 1,7 participantes descendem de cada um desses ancestrais. Essa é a menor taxa de descendentes por ancestral dos três países incluídos em nosso estudo, com 2,6 vezes menos participantes por ancestral do que nossos participantes argentinos e incríveis 4,4 vezes menos do que nossos participantes brasileiros.

Ancestrais com mais descendentes participando na pesquisa

MAIS DETALHES

41.3% dos antepassados estudados nasceram apenas nos cantões Capellen e Diekirch, de Luxemburgo. Dos três países incluídos em nosso estudo, os Estados Unidos são o único país para o qual os imigrantes luxemburgueses imigraram de todos os doze cantões de Luxemburgo. A maioria desses antepassados nasceu entre 1820 e 1869 e participou da Segunda e da Terceira Onda de Imigração em massa de luxemburgueses para os Estados Unidos.

Ancestral, Cantão de nascimento

Ancestral, ano de nascimento

1800-1809 0
1810-1819 0
1820-1829 0
1830-1839 0
1840-1849 0
1850-1859 0
1860-1869 0
1870-1879 0
1880-1889 0
1890-1899 0
1900+ 0

LUXEMBURGUESES-AMERICANOS NO SÉCULO XX

Dos antepassados incluídos em nosso estudo, a idade média de mortalidade era de 74.5 anos. A média nacional era de 61 anos em 1927 (ano correspondente ao período onde faleceram mais pessoas que compunham este grupo).

Ancestral, gênero

A proporção de homens pode estar distorcida, visto que apenas descendentes de homens estão aptos a solicitar cidadania, de acordo com o Artigo 7.

Ancestral, Idade ao final de sua vida

30-39 0
40-49 0
50-59 0
60-69 0
70-79 0
80-89 0
90-99 0

ONDE NOSSOS ANCESTRAIS VIVIAM NOS ESTADOS UNIDOS?

Na década de 1940, mais de 100.000 pessoas se proclamaram luxemburgueses-americanos no Censo dos EUA. Algumas dessas pessoas permaneciam próximas às colônias originais de Luxemburgo, mas muitas partiram para outros locais, em busca de novas oportunidades.

Ancestral, estado de residencia

Embora os ancestrais de nossos cidadãos com dupla nacionalidade tenham emigrado de todas as partes de Luxemburgo, 70.6% deles se estabeleceram em Minnesota, Illinois, Wisconsin e Iowa.
Os outros 29.4% dos imigrantes se estabeleceram em todo o país, com outros agrupamentos nos estados de Kansas, Michigan, Nova York e Califórnia.
A maior concentração de nossos antepassados por cidade nos Estados Unidos pode ser encontrada na área metropolitana de Chicago e Aurora, Illinois, representando88.2% dos luxemburgueses que se estabeleceram nesse estado.

Você está pronto para saber mais sobre os americanos-luxemburgueses?

Você está pronto para saber mais sobre os americanos-luxemburgueses?

Dados demográficos dos novos cidadãos

Contact Us