LuxCitizenship

Nossos estudos sobre os duplos cidadãos luxemburgueses já chegaram ! Veja agora

O fundador da LuxCitizenship, Daniel Atz, reflete sobre o que significa para ele ser LGBT Americano-Luxemburguês e sobre os direitos LGBT em Luxemburgo.

Minha História

LuxCitizenship founder with Hotel De Ville

O fundador da LuxCitizenship Daniel Atz em frente a Bandeira do Orgulho LGBT hasteada na Prefeitura de Luxemburgo

Em 4 de Dezembro de 2013, Xavier Bettel foi nomeado Primeiro-Ministro de Luxemburgo. Isso aconteceu na manhã que eu reservei meu primeiro voô para Luxemburgo para fazer minha cidadania.. Depois de fazer a reserva, eu chequei as notícias de Luxemburgo e vi o anúncio. Nunca vou esquecer. Naquele dia, Xavier Bettel se tornou o primeiro homem gay em um relacionamento divulgado publicamente a assumir o cargo de líder em um governo nacional. Quero enfatizar que esta foi a primeira vez na história. Tenho um pouco de vergonha de admitir isso hoje, mas a primeira coisa que fiz depois disso foi escrever a ele uma carta de felicitações. O que significou muito para mim.

Cresci no Nebraska nos anos 90 e início dos anos 2000, não tive acesso a padrões LGBT. Na verdade, eu vivia em um estado que tinha o 46º pior registro sobre direitos LGBT na época da decisão da Suprema Corte sobre casamento gay. Na verdade o casamento gay onde eu cresci estava fora de questão. Até mesmo o reconhecimento básico dos direitos das pessoas LGBT parecia tabu. A administração da minha universidade dissolveu a Aliança Gay Straight no ano em que entrei como calouro. Estas negações de dignidade básica eram prejudiciais a muitas pessoas. Eu tinha amigos que não conseguiam exprimir a vergonha sentida que passaram nessa época.

Mesmo que 2013 tenha sido muitos anos depois disso, finalmente ver um homem abertamente gay como líder mundial foi como uma sensação de alívio para o jovem dentro de mim que ainda se sentia inseguro sobre o que significava ser eu. O fato de Xavier Bettel ser o líder do meu novo segundo país foi ainda mais significativo para mim pessoalmente. E eu sei que não sou o único que se sentia assim. Quando voltei para casa, conheci vários gays no Nebraska que me disseram o quanto Xavier Bettel significava para eles – embora eles não tivessem nenhuma conexão com Luxemburgo.

Xavier Bettel com seu marido Gauthier após seu casamento

Direitos LGBT em Luxemburgo

O Grão-Ducado é, de modo geral, um dos países mais amigos dos LGBT do mundo. Luxemburgo é classificado terceiro na União Européia para proteção dos direitos LGBT e relatos de violência anti-LGBT são raros. Sindicatos civis – chamado PACS – estão abertos a casais do mesmo sexo desde 2004. Em 2015, a Câmara de Deputados aprovou por uma maioria esmagadora uma lei que permite o casamento entre pessoas do mesmo sexo e o direito de adoção. A discriminação com base na orientação sexual e “mudança de sexo” é proibida quando se trata de emprego, saúde e fornecimento de bens. Desde 2019, as pessoas transgêneros podem mudar seu gênero legal com base em autodeterminação.

E estes direitos não se limitam ao papel. Existem várias pessoas LGBT que são membros importantes da sociedade luxemburguesa. Xavier Bettel casou-se com seu marido e arquiteto belga Gauthier Destenay logo após a lei do casamento para pessoas do mesmo sexo ser aprovada em 2015, dizendo que ele esperava que “todos no mundo pudessem ser tão felizes quanto ele era” naquele dia. O ex-Primeiro Ministro Adjunto Etienne Schneider (2013-2020) é também abertamente gay e casou-se com seu marido Jérôme Domange em 2016. Um dos deputados de Luxemburgo no Parlamento Europeu Marc Angel é também abertamente gay e co-presidente do Intergrupo LGBTI do Parlamento Europeu. O Ministério da Família, da Integração e da Grande Região realizou recentemente uma campanha destacando o que eles chamam As famílias arco-íris de Luxemburgo.

Como ser LGBT afeta a minha dupla cidadania

Ao longo dos anos assim como meu vínculo com Luxemburgo & minha identidade luxemburguesa tornou-se mais significativa, bem como minha compreensão do que significa ser uma pessoa LGBT em Luxemburgo. Quando eu conheci minha família há muito perdida em Luxemburgo, Eu estava nervoso para revelar à sobrinha da minha bisavó luxemburguesa Annette que eu tinha um parceiro masculino. Ela estava na casa dos 80 anos e eu não tinha certeza do que pensar. Quando eu disse às filhas dela, elas pareciam atônitas de que eu estava nervoso. Como diz o Primeiro Ministro Bettel, cada vez mais em Luxemburgo “as pessoas não consideram o fato de que alguém seja gay ou não”. Minha experiência prova que isso é verdade. Tendo vivido em Luxemburgo por algum tempo, o que posso dizer é: pode haver apenas um bar gay em todo o país, mas Luxemburgo é definitivamente um país muito amigável aos gays. Você vê casais do mesmo sexo andando confortavelmente pela cidade de Luxemburgo de mãos dadas e sendo carinhosos, o que nem sempre é um fato consumado em todos os países do mundo.

Há algumas áreas onde acredito que os direitos LGBT em Luxemburgo podem ser melhorados. Não há lei em Luxemburgo proibindo a terapia de conversão. Além disso, a maternidade (barriga de aluguel) para casais gays do sexo masculino continua sendo ilegal. Na verdade, isto realmente afeta os americanos que recuperam a dupla cidadania luxemburguesa. Um casal homossexual americano do sexo masculino onde um dos parceiros recuperou a cidadania luxemburguesa teve dois filhos através de uma barriga de aluguel na Califórnia. O governo luxemburguês concedeu a cidadania ao filho biológico do cidadão, mas não ao seu filho não biológico (cada pai teve um filho biológico). Eles entraram com um processo no Tribunal Administrativo e em 2019, o tribunal decidiu contra o governo luxemburguês. O Ministério da Justiça informou a LuxCitizenship em agosto de 2020 que todos os candidatos à cidadania com filhos adotivos agora têm que passar por um processo para obter a cidadania para as crianças. Acreditamos que isto foi motivado pela decisão do tribunal. Finalmente, há um debate contínuo no parlamento sobre uma nova lei de adoção e tem havido um certo discurso público com um tom homofóbico, para desapontamento de muitos na sociedade luxemburguesa.

Direitos LGBT: Luxemburgo e o Mundo

A resposta assinada pessoalmente por Xavier Bettel à carta de Daniel de 2013.

Vou encerrar este post dizendo que pessoalmente que não sou o sujeito do Mês do Orgulho mais importante lá fora. Nunca esperei estar escrevendo um artigo como este. Mas não há momento mais importante do que agora. Afinal em 70 países no mundo, relações entre pessoas do mesmo sexo ou ser uma pessoa LGBT pode ser contra a lei e até mesmo acarretar a pena de morte. Isto é inaceitável e deve mudar. Mesmo na Europa, a Hungria está tentando aprovar uma legislação que equipara a homossexualidade à pedofilia e proíbe a comunicação sobre pessoas LGBT a menores. Esta lei é uma tendência descuidada e corre o risco de ter graves consequências negativas para os LGBT do país. De qualquer forna estamos orgulhosos que Luxemburgo como país e nosso Primeiro Ministro Xavier Bettel são alguns dos mais eloquentes opositores desta lei na Europa, trabalhando para evitar que o desprezível projeto de lei seja aprovado.

Junto a mim, vários membros da equipe LuxCitizenship se identificam como parte da comunidade LGBT e os outros certamente são aliados. A diversidade é o que tornou nossa equipe única e forte. Temos muitos membros da comunidade LGBT entre nossa base de clientes de mais de 850 (futuros) cidadãos duplos e queremos que todos saibam que são bem-vindos conosco. Também estamos cientes dos problemas únicos que indivíduos e famílias LGBT podem enfrentar em situações de direito internacional e imigração. Estamos felizes em compartilhar nossas experiências pessoais. Por favor, não hesite em me contatar pessoalmente sobre este assunto, seja um cliente LuxCitizenship ou não.